Coluna de Oscar Pinto Jung

Nasceste no lar que precisavas
09 de Abril de 2019 às 15:44

É certo que, ao renascer, não erramos de endereço. Mentor espiritual nos diz que nasceste no lar que precisavas, de acordo com a necessidade evolutiva. Alguns renascem atraídos por antigas afinidades e o relacionamento familiar se desenvolve em ambiente cordial e saudável. Outros renascem impelidos a se reconciliarem com desafetos de vidas anteriores. Às vezes, na condição de pais e filhos, conseguem se reconciliar, mas, em outras vezes, ainda assim, continuam se odiando. Daí, os chamados filhos-problemas, as agressões mútuas e quantas vezes com lesões mortais. Um dia, depois de muitas existências, de muito sofrimento, tais espíritos estarão vivendo em clima de fraternidade.

Bem a propósito, uma leitora me interroga:

- No lar que eu precisava? É engraçado porque minha mãe nunca foi minha mãe. Eu nunca consegui vê-la como minha mãe. Por quê?

Outra leitora, Darque Ancina Vargas, morou na cidade de Alegrete e participava dos trabalhos de uma casa espírita, inclusive das sessões mediúnicas. Darque, agora residente em Santo Ângelo, conta que a dirigente da casa era dotada da faculdade da vidência, ou seja, bastante sensibilidade para ver os irmãos desencarnados. A médium contava que, nas sessões mediúnicas, notava que um casal conduzia uma menina. E os três sempre sentavam em cadeiras na frente da mesa dos trabalhos. Darque conta como aquela menina, notada pela médium da casa, renasceu em seu lar:

- Certa noite sonhei com um casal que se aproximou de mim e me entregou uma menina. Os dois disseram o nome dela, que ela voltaria ao estágio terreno como minha filha. Que eu não me preocupasse, que eles ajudariam a cuidar dela do Outro Lado da Vida. Eu não estava grávida e nem pretendia ter mais filhos. Pois, na sessão mediúnica seguinte, a vidente comentou, surpresa, que o casal de sempre estava ali, a mãe se apresentava sorridente e bem feliz. Mas a menina não estava junto, pela primeira vez. Eu me lembrei do sonho e contei para os médiuns da corrente. A vidente respondeu, então, que a menina voltaria como minha filha, que eu procurasse logo o médico terreno para conferir se havia gravidez comigo. Procurei médico, fiz todos os exames recomendados e os resultados confirmaram a antecipação mediúnica. Hoje, adulta, com curso superior completo, a filha tem o nome que lhe foi sugerido pelo casal de espíritos amigos.

O caso relatado pela leitora Darque é um exemplo de espíritos afinizados desde muitas vivências. Por afinidade ou por assuntos pendentes, todos renascemos ante a necessidade de crescermos, espiritualmente. O crescimento é lento e difícil para qualquer um. Exige reforma íntima, com a redução de quotas de egoísmo, orgulho, ódio, rancor, inveja... Assim é a Lei Maior.

A PALAVRA DE LÉON DENIS: “Lembra-te de que a vida é curta. Enquanto ela durar, esforça-te por adquirir o que vieste procurar neste mundo: o verdadeiro aperfeiçoamento”.

Advogado, integrante da Academia Santo-angelense de Letras. Escreve nas edições de terça-feira. 

Email: pintojung@terra.com.br

Mais artigos de Oscar Pinto Jung