Coluna de Pedro Belmonte

Durox
14 de Maio de 2016 às 07:00

Foi sua mulher, Maria Lúcia, quem postou na internet, a  notícia da morte  de Osmar Boldrini de Oliveira, o Durox. Privamos boa amizade em partes dos anos 1960 e 1970; momentos marcantes, alguns quase viraram lendas urbanas.  Nos anos 1960, quando iniciei na rádio Santo Ângelo abri muitas vezes sua programação  dominical, geralmente egresso das festas nos clubes. Num  domingo falei ao operador que testaria a audiência. Narrei aos ouvintes que viera direto para o estúdio sem tempo de um café para espantar o sono.

Durox II

Começaram a chegar térmicas de  café, trazidas pelos ouvintes. Um dos primeiros a chegar foi Durox. Sobraçava bandeja contendo jarra de café com leite e sanduíches,  em nome dos pais, Dirceu Passos de Oliveira e Anair Boldrini de Oliveira, amigos e ouvintes fiéis. Durox foi um dos pioneiros no  lazer noturno. No meio dos anos 1970, em Santo Ângelo, montou no prédio onde funcionava o extinto cinema Belvedere, na Rua Marechal Floriano, Zona Norte,a boate Belvê. Bem sucedido, se aventurou na vizinha São Luiz Gonzaga, instalando a Belvê II.

Durox III
Depois abriria na Rua 25 de julho, a Belvê III. Finalmente,  transferiu-se para Porto Alegre.  Durox  tinha habilidade nesse tipo de negócio. Muito antes, no final dos anos 1960, inaugurou a boate  Satyricon, em Ipanema, Zona Sul da Capital. Recém-chegado, participei da inauguração, pois  morávamos na mesma Pensão, na Andradas, 945 (a legendária Rua da Praia), proximidades do Correio do Povo. Foi sua primeira incursão na atividade que lidou por longa parte da vida.

Pleitos
Quais os principais pleitos às próximas eleições municipais? Certamente, segurança, saúde, educação, mobilidade urbana, moradia, empregos. Na saúde, faltam  hospitais, médicos, emergências, sobrando portas cerradas. Na segurança rareiam efetivos e, às vezes, logística para melhor desempenho. A educação  sofre com baixos salários, evasão escolar e prédios inadequados para abrigar alunos e professores. A educação básica  está diretamente ligada ao município, o que não invalida a ação dos governos estadual e federal. Somos uma Federação, com as riquezas geradas nos municípios, incidindo sobre os munícipes  os impostos, que fazem seu périplo, até Brasília.

Pleitos II
Ao retornarem  não obedecem aos percentuais constitucionais. As instituições de saúde somente conseguem o mínimo, graças aos esforços de médicos e enfermeiros. Chocam-se na falta de leitos, emergências e hospitais especializados. Na segurança existe carência de efetivos e logística nas polícias Civil e Militar.  Nesta campanha, postulantes deveriam colocar nas suas prioridades  a melhoria desses setores e cobrar, veementemente, a ação do Estado e da Federação. Por exemplo, cobrar um pacto federativo e aparelhar as guardas municipais para que ajam com poder de policia. O candidato necessita apropriar-se da situação do município, conhecer  suas carências setoriais. Deve preparar-se para enfrentá-las e solucioná-las. As células-mães da Nação são responsabilidades do prefeito ao presidente.

Acaciano
Por vezes laboramos sobre o óbvio, como aquele  personagem de ‘O Primo Basílio’, de Eça de Queirós. Foi numa campanha política que usei pela primeira vez o termo acaciano. Pretendia  demonstrar que o candidato adversário usava frases elaboradas, convencionais. Um Conselheiro Acácio, sem tirar ou por. Até hoje   se continua citando  o personagem do clássico da  literatura portuguesa, quando se lida com  frases feitas e chavões. Ainda  agora os conselheiros Acácio circulam por ai. Com exceções, nossos políticos mudaram pouco do século 19 até aqui.

Cunha
Suspensão  por tempo indeterminado do mandato e da presidência  da Câmara Federal de Eduardo Cunha, solicitada pelo Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, continua repercutindo e gerando consequências. Tramitando desde dezembro  de 2015,foi acolhida, somente agora, de forma unânime pelo STF.

Cassado
Senador Delcídio do Amaral, sem partido,  ex-líder do governo no Senado, teve seu mandato cassado, por quebra de decoro,  ficando inelegível, nos próximos 11 anos. De um quórum de 76 senadores, 74 votaram pela cassação.

Impeachment
Na manhã de segunda-feira, 9, burlescamente, presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP), envolvido na Lava-jato, aliado de Dilma e Cunha, contrário ao impeachment, desengavetou parte de petição da AGU, tentando anular o procedimento e fazê-lo voltar a Câmara. Depois foram descobertas as digitais do governador  maranhense e do doutoral Advogado Geral, na trama.

Impeachment II

Tentativa malograda recendeu a manobra para evitar que o impeachment, acolhido na Câmara por acachapantes 367 votos a 146 e na Comissão especial do Senado, por  confortáveis 15 votos a 5,avançasse. No fim-da-tarde, presidente do Senado Renan Calheiros desconsiderou a tentativa atrabiliária do  interino, dando sequência  ao rito. No final  da segunda-feira, Maranhão, em poucas linhas, revogou a sandice.

Impeachment III

Na terça-feira, 10, José Eduardo Cardozo estava de volta, tentando obstaculizar o impeachment, ingressando no STF, com mandado de segurança.Nas ruas das principais cidades, houve manifestações contra o impeachment, bloqueios de rodovias e queima de pneus por integrantes de movimentos sociais, sindicais e partidos políticos. 

Impeachment IV
Na manhã de quarta-feira, 11, uma hora atrasado, Senado começou a analisar o impeachment de Dilma Rousseff.  No inicio da tarde, o ministro do STF, Teori Zavascki negou o mandado de segurança, pedido pela AGU. Por volta das 6h30min de quinta-feira, 12, após 20 horas de trabalhos,   a admissibilidade do processo de impeachment  da presidente Dilma Rousseff foi aprovada, por 55 votos a 22. Afastada do cargo por até 180 dias, vice-presidente Michel Temer e seu novo ministério ficarão no comando do Brasil. Se ao final do processo o impedimento for confirmado (basta que se repita o placar), Temer assume o restante do mandato.
 

 Jornalista, com passagem por diversos jornais e rádios do Rio Grande do Sul, atualmente coordena o projeto Santo-Angelenses. Escreve nas edições de sábado. 

Email: pedro.a.s.belmonte@hotmail.com

Mais artigos de Pedro Belmonte