Coluna de Pedro Belmonte

1996
02 de Julho de 2016 às 07:50

O ano de 1996 foi o da chacina do Eldorado dos Carajás. Cem policiais militares abriram fogo contra agricultores, matando 20 e ferindo 44. Eram assassinados o ex-tesoureiro de Collor, PC Farias e sua namorada, Suzana Marcolino. Um avião Fokker da TAM cai sobre o bairro do Jabaquara em São Paulo matando 99 pessoas entre passageiros, tripulantes e moradores.
Naquele ano morriam o ex-vereador João Carlos do Nascimento e Silva; a ex-vereadora Neiva Carrera Machado; o advogadoRicardo Leônidas Ribas, que foi vereador, prefeito, deputado, secretário de Educação, diretor do Banrisul e presidente do Meridional, atual Santandere o jornalista e escritor Luiz Sergio Metz, o popular ‘Jacaré’.
Adroaldo Furtado Fabrício assumia o Tribunal de Justiça do Estado. Iniciava a luta comunitária pela manutenção em funcionamento do Cisne.
José Lima Gonçalves era eleito prefeito de Santo Ângelo.
Governador Antônio Brito inaugurava ampliações do Aeroporto e o monumento a Prestes.

Crônica do Tempo
Estou confirmando aos leitores lançamento de meu novo livro de memórias, Crônica do Tempo II. O primeiro circulou em 2010, contendo artigos e crônicas sobre minhas atividades nas emissoras e jornais de Santo Ângelo, Ijuí, Tramandaí, Gravataí, Cachoeirinha e Porto Alegre. Nesta segunda edição, volto a incursionar pelos diversos momentos que marcaram meu trabalho na imprensa, iniciado em 1964, em Santo Ângelo. Crônica do Tempo II é o olho do repórter, aquilo aprisionado na retina do profissional de imprensa, ao longo de cinco décadas. Dos conteúdos da edição, destaco:

Crônica do Tempo II

‘Cisne, 58 anos de resistência’ em que enfatizo a luta liderada por Flavio Panzenhagen, para manter em funcionamento o remanescente cinema da cidade; ‘Anos 60, quando o tempo corria lento’, sob a ótica de Roberto Haas, um dos personagens que viveram os chamados ‘Anos Dourados’; ‘Uma vida dedicada à medicina’, um poucodos 50 anos de trabalho do médico e homem de comunidade, Rolando Stumpfle; ‘A Laranjinha’, em que recordo um dos principais refrigerantes gaúchos dos anos 1950, sua garrafinha marrom, de sabor inconfundível, produzido em Santo Ângelo por Refrigerantes Vontobel, atual Vonpar; ‘Café Central’, ‘Titio’, ‘Faldino’,‘O Menega e a Sacy’ e ‘Bar Ok’, revisitando os legendários bares, restaurantes e churrascarias da cidade, seusproprietários, frequentadores e suas características.

Crônica do Tempo III
Ainda: ‘O Anjo Negro’, ‘Personagens que deixaram saudades’, Um Pioneiro das Comunicações’, ‘O Repouso do Missioneiro’, ‘Gordo Placa’, ‘O Grosso que Satisfaz’, entre outros, além de perfis biográficos de empresários, profissionais liberais, intelectuais e políticos. Essencialmente, trata-se de reminiscências de personagens, homens e mulheres, que marcaram suas presenças cotidianas, colaborando para o progresso econômico-politico-social, principalmente de Santo Ângelo. O livro vai ser lançado durante sessões de autógrafo, em locais e datas a serem informados, em Santo Ângelo e Porto Alegre, ao longo do mês de agosto. Posteriormente, será colocado à venda em locais do gênero.

Agregando valor

Prefeito de Santo Ângelo a ser eleito em outubro, deveria tentar fazer com que as riquezas vindas do campo, fossem transformadas no município. Propostas assim devem caber nos programas dos próximos candidatos à prefeitura, priorizando investimentos em qualificação e incentivo a plantas industriais com ênfase na agroindústria. Agricultores do município, cultivando de sol a sol, grãos e frutos, os mandam depois de colhidos, para fora das suas fronteiras a serem transformados, deixando de se beneficiar da agregação de valor. Certamente, também o êxodo poderá ser estancado, evitando exportar mão-de-obra.

RC
Dia desses, ouvindo Roberto Carloscantar um de seus antigos sucessos, com arranjos novos, me perguntei? De onde vem tanto e repetido sucesso quando ele canta o que cantava no inicio da carreira, seu tema é o mesmo e raramente sai dele? Seus seguidores, além dos que mantem desde os primeiros tempos da Jovem Guarda, no meio dos anos 1960, aumentam, se renovam.Lembrei a entrevista que fiz na primavera de 1972, numa sacada de hotel em Cruz Alta, horas antes do show que faria no Ginásio José Westphalen Correia: “Não esqueço jamais meus amigos” – revelou. Adiante,que idolatrava sua mãe Laura, perenizada na canção, ‘Lady Laura’.Naquela entrevista, conheci umRoberto Carlos emotivo, romântico, tímido, espiritualizado. Na mesma noite, após o espetáculo,rumamos a Santo Ângelo. Depois de repousar no Maerkli se apresentou em um Clube Gaúcho superlotado.  Foram muitas emoções. Laura Braga morreu em 2010,com respeitáveis 96 anos.

Prisão
A Lava-jato pode ter provas suficientes para levarem Lula da Silva a cumprir 15 anos de prisão. Segundo a Época os procuradores estão prontos para denunciá-lo por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Delitos estariam consubstanciados em favores a empreiteiras.Delação de Léo Pinheiro já tem mais de 60 anexos. Lula da Silvaé citado em dez crimes. Léo entregou o sitio de Atibaia, o tríplex do Guarujá e as palestras superfaturadas por sua traficância internacional para a empreiteira. Ex-presidente contra-atacou, acusando ao juiz Sergio Moro de abuso de autoridade. Pedido foi encaminhado a PGR em nome dele, da mulher e dos quatro filhos.

Nardes
Ministro do TCU, Augusto Nardes, informando sobre o painel de competividade que presidiu em Fortaleza, dirigido a vários governadores. Objetivo é projetar estratégias para o ano de 2030. Santo-angelense informa que lançou a ideia quando presidiu o Tribunal em 2013. Acrescenta que evento se repetirá em todas as regiões do país.

Piada
Procurador Deltan Dallagnol afirmou dias atrás que “A punição da corrupção no país é uma piada de mau gosto”. Dallagnol é Coordenador das investigações da Lava-jato, acrescentando que “não funciona, incentiva a prática e só pune os mais pobres”.
 

 Jornalista, com passagem por diversos jornais e rádios do Rio Grande do Sul, atualmente coordena o projeto Santo-Angelenses. Escreve nas edições de sábado. 

Email: pedro.a.s.belmonte@hotmail.com

Mais artigos de Pedro Belmonte