Coluna de Renato Schorr

Gravetos do passado
28 de Novembro de 2013 às 10:07

Consta dos anais a fundação do Centro de Tradições Gaúchas 20 de Setembro aos 28 dias do mês de novembro de 1953. Colhe-se dos registros, a passagem de um chasqueiro vindo da Capital do Rio Grande, anunciando a “boa nova”, quanto da fundação do – 35 Centro de Tradições Gaúchas –, no termômetro gaúcho. De olfatos aguçados, as gentes de então, cismados com as fumaças daquela chaminé, espiavam ora cá, outra lá, visando compreender os objetivos daqueles, ainda quase piás, em defender ardorosamente, os laços de campo e querência.

Nas confidências dum irmão ora em outra estância – Bazilisso Leite –, assegurou, teria ele tido a incumbência de farejar na Capital, as atividades e as intenções daqueles tauras. Coberto pelo véu da emoção e assoberbado de razão, de lá teria trazido os rabiscos estatutários e sobre eles, estribado a entidade que viera a ser fundada.

Sempre seguindo rabiscos lançados em papiros, se tem a realização de uma escolta de cavaleiros ao então Presidente Getúlio Dornelles Vargas, desde o aeroporto ao centro da cidade. Contudo o Acadêmico Oscar Pinto Jung, consultado, jornalista a época, não recorda desse momento, mas assegura que Getúlio viera na campanha eleitoral, na ocasião teria discursado na sacada do prédio do Prefeito Odão Felippe Pippi. Viria por ocasião da primeira Fenamilho, mas o suicídio inviabilizou o momento.

Consta ainda, de uma reunião junto ao Club Gaúcho. Por ocasião desta, se sucederam discursos inflamados com cheiro de picumã e o gauchismo falou mais alto, nomeando-se a entidade fundada de - 20 de Setembro -, lastreado nos feitos dos gaúchos da efeméride farroupilha – exaltação. Os pirralhos de hoje desconhecem os rigores e dificuldades de antanho sem antanho ser, mas naqueles idos, a cidade possuía algumas ruas dotadas de paralelepípedos, aliás, conforme, se vê na praça Pinheiro Machado, registros escritos com pedras, no demais, chão batido. Portanto, soerguer uma entidade com um matiz de viés campeiro, com indumentária distinta, da socialmente exibida, seria um dos grandes percalços. Contudo, a empreitada encetada foi vitoriosa, talvez, diante da situação regional semicampeira. Logo, o povo se abastecia do homem rural e nele estava centrava a economia.

Relendo os pergaminhos, constatamos a existência de mais de trinta assentos no livro registro dos fundadores da entidade. As primeiras patronagens couberam ao saudoso Cristiano Batista Kruel e um grupo de entusiastas, comandando a entidade em torno de sete gestões. Depois vieram outros e mais outros. Segundo pesquisas encetadas junto aos remanescentes, as dificuldades com a aquisição de terreno próprio, foram imensas. Mas quando o ardor fala mais alto, não há percalços insuperáveis.

A primeira sede construída na Avenida Getúlio Vargas, na atual localização, ainda resta em pé, embora requeira providências. Contudo, junto a ela, outra edificação foi eregida entre 1987/1989, uma sede ampla ainda que revestida da exigida rusticidade.

O nosso Centro de Tradições viu desfilar milhares de associados. A entidade participou ativamente dos eventos oficiais feitos congressos, convenções, encontros de patrões, concursos artísticos, culturais, campeiros, esportivos. Mas também se fez presente em momentos solidários, atuou na condição de parceiro, organizou eventos, apoiou entidades. Ignorou! Conquistou muitos lauréis, incentivou, abrir espaço aos jovens, também aos mais vividos. Tolheu-lhes em outros.

Na linha do tempo chegou ao ápice, sendo a terceira entidade filiada ao MTG a conquistar o selo de qualidade tradicionalista, em 2001! Ao comemorar sessenta anos de existência, há que se olhar pelo retrovisor, e colher os ensinamentos ficados pelos caminhos, juntar os gravetos do passado, a fim de reacender os tições e reavivar as brasas, em hibernia sob o borralho. Falando em Gravetos do Passado esse é o nome do programa radiofônico criado em 1954, por Bogo e Pegy de Castro (isso, segundo Bogo, patrão de saudosa memória), iniciado na Rádio Santo Ângelo, o qual, hoje é levado aos ares na rádio Sepé Tiaraju.

Fonte: Jornal das Missões

Advogado e tradicionalista. Escreve nas edições de sábado.

Email: renatinhoadv@yahoo.com.br

Mais artigos de Renato Schorr